A importância da requalificação na desglobalização, digitalização e consolidação empresarial

30 Julho, 2020

A Adecco, empresa especialista em recursos humanos e outsourcing, divulga a importância do reskilling das sociedades, garantindo a requalificação de indústrias, como forma de evitar o pior da crescente crise económica e a garantir um mundo de trabalho mais resiliente e estável.

Já a 27 de maio de 2020, relembra a especialista, a Organização Internacional do Trabalho (OIT) estimou que 94% da força de trabalho global vive em países com medidas ativas de confinamento e fecho do local de trabalho. Empresas de vários setores estão a enfrentar perdas catastróficas, que resultam em milhões de trabalhadores vulneráveis a demissões. Enquanto isso, os últimos meses também viram uma rápida aceleração de três tendências principais: desglobalização, digitalização e consolidação empresarial

Com os hábitos do consumidor a mudarem para o consumo on-line, as empresas tiveram de responder rapidamente com planos de “transformação digital” em meses, em vez de anos. Este é um cenário único – milhões de desempregados, por um lado, e necessidades de competências em rápida evolução e crescimento, por outro. Há uma oportunidade para o primeiro resolver o problema do segundo. Com isso, é urgente que empresas, governos e organizações de trabalhadores unam forças e ofereçam à força de trabalho global caminhos claros de qualificação.

Na Adecco acreditamos que as competências de hoje não corresponderão aos empregos de amanhã, e as competências recém-adquiridas podem rapidamente tornar-se obsoletas, e esse é um passo necessário para a recuperação económica. A boa notícia é que alguns investimentos em novas competências, no reskilling já estão em curso. 

Conforme sustenta também, um estudo desenvolvido pela Adecco Portugal, entre Maio e Junho de 2020, a empresas nacionais de vários setores de atividade, em termos de competências, as empresas apostam nitidamente na requalificação (45% do total de empresas analisadas), e outras apostam na extensão das competências existentes (35%). 

Com base nestas conclusões, a Adecco ajuda a decifrar o que é o reskilling, quanto tempo pode demorar e o investimento que pode significar para as indústrias.

O que significa um Reskilling?

  • O conteúdo é algo único na qualificação. Não se trata apenas de um meio de aprendizagem, mas de aprender a serviço de um resultado, que geralmente é a transição bem-sucedida para um novo trabalho ou a capacidade de assumir novas tarefas. Significa não apenas aprendizagem de competências técnicas específicas do trabalho, mas também à aquisição de competências essenciais, como adaptabilidade, comunicação, colaboração e criatividade.
  • Os três formatos podem ser desde o regresso à universidade ou instituição de ensino, ou a A aprendizagem não formal que envolve atividades de aprendizagem organizadas por um formador ou por um empregador com certificação ou a aprendizagem informal que envolve a aprendizagem de colegas e supervisores ou mesmo durante atividades de lazer.
  • Investimento financeiro está provado que pode custar até menos seis vezes do que contratar no mercado. Embora esse cálculo varie significativamente com base na ocupação e na função do emprego, apresenta um forte argumento para empregadores e governos considerarem os custos de requalificação de uma perspetiva holística.

Quanto tempo demora uma requalificação?

A resposta bem popularizada (e criticada) a essa pergunta é do psicólogo K. Anders Ericsson, que afirma que são necessárias 10.000 horas de prática deliberada para obter conhecimento. Dan Coyle, autor do The Talent Code , alternativamente, fala sobre o valor de um compromisso consciente e de longo prazo. 

Na Adecco acreditamos que a resposta pode variar de pessoa para pessoa. Mas é seguro dizer que aqueles que desejam uma requalificação de sucesso devem estar prontos para dedicar um tempo significativo a aprender. 

Como podemos tornar o requalificar uma realidade para todos?

Dado o que sabemos sobre a qualificação, os seus vários formatos, custos e quanto tempo pode levar, acreditamos que existem três políticas concretas que governos e organizações podem implantar para disponibilizá-las a todos.

Criar e capacitar conselhos de competências do setor (CCS). Os CCS são organizações sem fins lucrativos focadas em ajudar um único setor a definir e fechar as suas lacunas de competências. Esses grupos geralmente colaboram com os órgãos governamentais relevantes para fornecer aos representantes das organizações de empregadores e de trabalhadores informações críticas sobre novas competências críticas. Por exemplo, no setor de tecnologia, o Tech Partnership Degrees no Reino Unido é um CCS que reúne empregadores e universidades para “melhorar o fluxo de talentos na força de trabalho digital”. 

Apoios a pequenas empresas. Pequenas e médias empresas (PMEs) geralmente precisam de mais recursos financeiros e técnicos para qualificar os seus funcionários. O apoio do setor público é vital e destina-se a ajudar as PME a identificar as necessidades de competências nas suas organizações, bem como a planear ações de formação coordenadas.

Tornar o reskilling mais acessível a funcionários individuais. Todos os funcionários devem ter acesso a algum tipo de apoio ao desenvolvimento de carreira, financiado por uma mistura de contribuições pessoais, investimento do empregador e patrocínio do Estado. Alguns países já lideram o caminho.